top of page

PATRICIO REICH: "A PRÓXIMA REVOLUÇÃO DO VINHO VEM DA EMBALAGEM".

O CEO e proprietário da Bodega Renacer, Patricio Reich, falou extensivamente com a jornalista e sommelier Gabriela Malizia para um artigo no seu blogue "El Triunfo del Baco". Discutiram diferentes tópicos relacionados com a situação actual da adega, bem como a situação actual do nosso país e as mudanças que a sociedade está a adoptar quando se trata do consumo de vinho.

Quando o empresário chileno Patricio Reich começou a vir a Mendoza em 2001, previu um futuro promissor para o vinho nestas terras. À miríade de razões que teve para aterrar em Mendoza e desenvolver o seu projecto, Bodega Renacer (localizado na rua Brandsen, uma das mais belas ruas de Luján de Cuyo) desvendámos numa longa, franca e divertida conversa, na qual abordámos particularmente as mudanças geradas tanto pela pandemia de Covid-19 como pelas alterações climáticas, ambos enormes desafios não só para o negócio do vinho, mas para a humanidade como um todo.


"Todo o nosso negócio depende do terroir, mas se estes mudarem terrivelmente devido ao clima, estaremos fora do negócio. Hoje, no Chile, as adegas estão a comprar bem ao Sul porque o aquecimento e a falta de água estão a atingir", começa o empresário, preocupado com a falta de medidas dos líderes mundiais para travar o aquecimento global.

O outro grande tema da nossa conversa é a pandemia. "Creio que Covid ajudou o mundo a compreender que temos limites como seres humanos e que os excedemos claramente, uma vez que a natureza não tem boca para falar, tem uma maneira diferente de expressar as coisas", resume ele.


Foi esta consciência ecológica que o levou a investir nesta terra. "Estamos na Argentina e em Mendoza porque acredito que este terroir é óptimo e está ao nível do melhor para a produção de vinho tinto do mundo. Em 2001 vi as diferenças em relação ao Chile, onde um sector vitivinícola se desenvolveu muito semelhante ao americano, grandes vinhas verticalmente integradas. A Argentina, por outro lado, tem muitas pequenas e médias adegas que precisam de comprar serviços e, portanto, existem serviços a todos os níveis, por exemplo, o fraccionamento móvel, é um ecossistema que permite que as pequenas e médias adegas sobrevivam sem investimentos injustificados. Além disso, o terroir cumpre vários requisitos, a luminosidade que cai por metro quadrado na Argentina é única, algo que não acontece no Chile por causa da humidade, que é uma vantagem maravilhosa para conseguir uma maturação perfeita de todos os vinhos tintos", sublinhou.

Entre as vantagens, cita também o facto de Mendoza ser um plano inclinado, que tem uma grande diversidade de altitudes e uma grande diversidade de uvas da mesma variedade, nos diferentes vales. "Como no Chile não temos filoxera, também temos uma grande restrição para incorporar novas variedades, por isso a Argentina tem mais ingredientes para preparar pratos diferentes", disse ele.



Reich, que dez anos antes viu o Chile transformar o seu sector de exportação "de vinho para vinho", como ele lhe chama, ou seja, de uma produção em massa de vinhos de baixa qualidade para o mercado interno para vinhos mais cuidadosamente produzidos para exportação, chegou à Argentina precisamente quando este fenómeno estava a começar. "E tínhamos esta maravilha e diamante no bruto que tinha de ser explorado, Malbec! Agora cada importador tem um Malbec, os franceses, os chilenos, os americanos, todos eles cultivam Malbec, por isso é tempo de inovar", diz ele.


Como investidor estrangeiro, como experimentou as diferenças no contexto macroeconómico que a Argentina oferece?

Quando começámos a situação era muito diferente, tínhamos impostos razoáveis que hoje em dia se tornaram altamente irrazoáveis. Isto afecta não só a indústria vinícola, mas todos os sectores que no final do ano acabam por sentir que estão a trabalhar para terceiros. O negócio do vinho é agradável, mas não é caridade. É uma pena que tudo o que é exportado tenha de passar pelo Chile porque o porto de Buenos Aires é o mais caro do mundo. Se a Argentina tem um grave problema de dólares, o que tem de fazer é aumentar as exportações, e não manter esta atitude proteccionista e restritiva. Se entrar um monte de dólares, tudo pode ser comprado. Em suma, estes são problemas complexos e antigos que estão a causar a perda de dinamismo da indústria. Há falta de garrafas, falta de empresas de design, e se há falta de inputs não podemos trabalhar, porque não exportamos vinho, exportamos um produto muito sofisticado.

Porque pensa que a visão no Chile é tão diferente? O governo central apoia qualquer actividade de exportação, qualquer que seja a região.


No Chile não existe tal dicotomia região-capital. O Chile não concede quaisquer benefícios para a instalação de uma indústria num determinado local. As políticas macroeconómicas no Chile são em todo o caso bastante diferentes das da Argentina.

Quais são as suas expectativas para o segundo semestre do ano?

No mercado interno penso que os preços irão subir, e os rendimentos de bolso irão descer, por isso não vemos um aumento no consumo. Os mercados estrangeiros estão um pouco normalizados por agora, mas estamos muito à espera para ver o que vai acontecer com a variante Delta. O problema continua a ser os canais de venda e a falta de acordos comerciais na Argentina, o que é sempre prejudicial para nós. O Chile tem um acordo de comércio livre com a China, e a Argentina não, continuamos a enfrentar os problemas estruturais da Argentina, não se pode fazer muito negócio com um país que não quer fazer parte do mundo. É lógico que aqueles que compram a si também querem que você compre a eles. O mundo globalizado está a avançar para o comércio livre, no Chile temos acordos com 94% do mundo. No primeiro semestre do ano, o Chile exportou usd 727 milhões enquanto a Argentina exportou usd 432 milhões com um potencial muito maior. É aqui que temos o engarrafamento e é aqui que se podem ver as diferenças.


Comentários


bottom of page