top of page

Renacer, a encantadora adega que faz vinhos biológicos

A adega de Perdriel obteve este ano a certificação orgânica. Nos próximos meses, lançará os seus primeiros vinhos nesta categoria.


Visitamos as instalações de Bodega Renacer, um pequeno paraíso em Perdriel onde a arquitectura e o paisagismo nos apresentam a filosofia de Patricio Reich, CEO e proprietário da empresa, para quem "respeitar o ambiente, a sua sustentabilidade e a utilização racional dos recursos naturais, garantindo a qualidade dos vinhos, é um compromisso ao longo do tempo".

Seguindo estas directrizes, a Renacer iniciou em 2018 o processo de conversão de todas as suas próprias vinhas em orgânicas. Mas o caminho para a agronomia e enologia biológica é feito abordando vários eixos de sustentabilidade: o trabalho da vinha e todo o processo de vinificação; os vinhos veganos que constituem a linha tradicional da adega; a certificação da Pegada de Carbono; a utilização de rolhas de cana de açúcar, a energia solar na sua sala de barricas e a reutilização da água.

Gestão de vinhedos, restituição de um ecossistema vital


À medida que caminhamos através das fileiras de Malbec, desfrutamos de um típico dia ensolarado de Mendoza e reparamos na erva verde invulgar que emerge dos sulcos. Estamos também surpreendidos com as aves que tremulam entre as vinhas. A propriedade de Perdriel em redor da adega Renacer está a ganhar vida e este incipiente ecossistema é o resultado das práticas sustentáveis pelas quais a vinha obteve a certificação orgânica.


"As pragas são monitorizadas e prevenidas, e caso sejam necessários tratamentos curativos, utilizamos os elementos autorizados pela norma que certifica que somos orgânicos, elementos baseados em minerais como enxofre e sulfato de cobre, aqueles que os nossos avós utilizavam", explica o agrónomo Gustavo Quattrocchi. Os fertilizantes são baseados em matéria orgânica também autorizada pela norma: ácidos húmicos e fólico que provêm do composto ou dos resíduos orgânicos.


"Como não existe nenhum produto orgânico que seja herbicida, uma vez que eliminar as ervas daninhas erradamente nomeadas vai contra o conceito orgânico, o que fazemos é controlar essas ervas daninhas, cortando-as com um tractor ou uma motocicleta. Temos de garantir que não competem com as videiras e mantê-las curtas é benéfico porque conservam humidade e geram um ecossistema no solo com flora e fauna e uma bela biodinâmica", assegura o agrónomo da Renacer.


Nesta propriedade Perdriel existem 10 ha. de Malbec e outros 6 ha. de Cabernet Franc e Cabernet Sauvignon, a maioria deles com rega gota-a-gota optimizada.


Vinificação biológica


Para além da gestão da vinha biológica, a Renacer recebeu também a sua certificação como adega biológica. O processo começou há dois anos. "A adega tem de ser impecável e temos de separar os processos dos nossos vinhos biológicos dos tradicionais", diz Fernando Sota, o Director de Enologia e Viticultura da adega. "Utilizamos leveduras orgânicas indígenas e outras seleccionadas de certas vinhas que dão ao vinho um sabor ou aroma específico. Obtemos vinhos mais aromáticos e expressivos, ou seja, que o processo orgânico gera uma mudança".

Além disso, os sulfitos são utilizados com parcimónia e são utilizados rótulos, cápsulas e cápsulas livres de metais pesados. Outro contributo importante é a utilização de rolhas ecológicas, derivadas da cana-de-açúcar.


"Agora vamos recuperar a água que utilizamos no processo. O nosso objectivo é substituir todos os insumos de que precisamos e sermos capazes de os gerar nós próprios, os painéis solares que temos nos dão 30% da energia de que precisamos num dia de produção, o objectivo é atingir 100%", diz Sota.

Pegada de carbono neutralizada


Em 2010 a Renacer certificou pela primeira vez a sua pegada de carbono em todo o processo logístico e de entrega. Foi a primeira adega argentina a fazê-lo. A certificação foi feita no processo a partir do momento em que a garrafa é engarrafada, vestida e entregue ao distribuidor oficial. Uma vez que a entidade certificadora quantifica monetariamente a pegada de carbono, a adega paga e que o dinheiro é distribuído e reinvestido em diferentes projectos em todo o mundo, tais como plantações florestais, salvamento de baleias ou outros empreendimentos que ajudam a compensar ou equilibrar a pegada de carbono gerada


Vinhos biológicos e vinhos vegetarianos.


A linha de vinhos orgânicos certificados que em breve estarão no mercado são: Punto Final Malbec, Punto Final Malbec Rosé e Punto Final Reserva Cabernet Franc.


No entanto, a Renacer tem uma extensa linha dos chamados vinhos tradicionais que foram previamente certificados como "vinhos vegetarianos" porque não utilizam subprodutos animais para a sua finalização, nem utilizam a força animal nos processos. O objectivo da empresa vinícola é tornar todas as suas linhas completamente orgânicas.

Sala de barris 100% verde


Com a incorporação de painéis solares na sua sala de barris, a Renacer dá mais um passo no seu caminho verde, reforçando o seu compromisso com o ambiente.


A sala é condicionada com sistemas de ar quente/frio, com elevado consumo de energia, de modo a manter a temperatura interior controlada conforme necessário em qualquer altura do ano.


Com a adição destes painéis solares, 68 painéis fotovoltaicos de 390 watts cada um geram a energia necessária. Estão localizados no telhado da sala de barricas, e fornecem um total de 26,5 kW para o funcionamento permanente do equipamento de ar condicionado necessário para o envelhecimento e armazenamento dos vinhos Ícono e Reserva em condições óptimas.


Fonte de notícias: www.inmendoza.com


Nota e foto da capa: Valeria Méndez


Fotos: María Eugenia Conte e Mayda Rodas





Коментари


bottom of page